A festa do dia 12/12 foi o acerto da empresa Gondim & Garcia

Colunas

Meu primeiro artigo nesta coluna foi uma crítica ao planejamento do evento Mossoró Mix, então promovido pela empresa Gondim & Garcia, no qual foi cancelado por falta de demanda. Na ocasião, critiquei a falta de estudo de mercado e viabilidade da realização do evento. Como fiz uma crítica, agora ressalto a eficiência: a festa do dia 12 de dezembro, também promovida pela empresa, vai ser um sucesso. O artigo da crítica pode ser visto aqui.

Ao contrário do Mossoró Mix, que não houve um planejamento, principalmente para saber se o público iria abraçar este conceito “mix”, de reunir vários estilos musicais em apenas um festival, a festa da véspera do feriado de Santa Luzia promete reunir uma multidão. Um encontro nunca visto antes na região, Wesley Safadão e Xand Avião no mesmo evento, ou seja, os dois maiores ícones do forró da atualidade.

A estratégia utilizada foi excelente, preços acessíveis, denominado de “lote especial” que durou apenas três dias. Apenas nestes dias de lote especial, deu para perceber que o evento será um sucesso, devido à grande procura por ingressos e filas imensas que tomaram de conta dos locais de compra. Será um evento que vai parar Mossoró e região e aquecer a economia local.

Quando falamos em aquecer, você pode pensar: “ah, é só uma festa!”, porém, há indivíduos com ganhos diretos e indiretos em relação à festa. Desde os ambulantes que comercializam no local, aos empresários que ganham com o visual das pessoas que participam do evento, seja lá loja de roupa, salão de beleza etc.

O estilo musical que mais agrada ao público mossoroense é o forró, isso é notório. Sabendo disso, reunir os dois maiores artistas do ramo é a receita de sucesso para atrair o público para o evento. Aguardaremos para ver o local da festa e torcer para não ser na estação das artes, devido ao limite de horário, isso é um fator que pode “atrapalhar” o sucesso do evento.

Como venho batendo nesta tecla há um tempo, o ser humano reage à incentivos, ou seja, os incentivos que o consumidor tem, é o que faz ele comprar ou não um bem, no caso, o evento. Da mesma forma acontece com os patrocinadores, por exemplo, fica mais fácil captar patrocínios com um evento de grande porte, pois o incentivo da divulgação da marca é bem maior, mais pessoas serão alcançadas.

Olhando pelo lado do custo, talvez o elevado custo dos cachês das bandas poderia ser um fator que inviabilizasse a realização do evento. Porém, neste meio, não existe artista caro, existe artista que “não se pague”, isto é, uma banda com um elevado cachê, mas que não atraia público o suficiente para o evento. Com certeza não é o caso das atrações musicais da festa.

É certeza que o evento será um sucesso e aquecerá a economia local, tendo em vista que pessoas de outras cidades estarão por aqui, com isso irão gastar com hospedagem, comida, lazer etc. Se houvesse um estudo sobre o perfil socioeconômico das pessoas que frequentaram o evento, o resultado iria comprovar que a festa tem retorno não só para os seus idealizadores, como também para patrocinadores, consumidores, e principalmente, para a cidade.

Fato é que tudo se remete à economia, em todas as áreas, sempre tem uma razão econômica por trás. E é isso que torna essa ciência fantástica, não tem algo sem explicação, nem que seja com viés diferentes. No mais, buscarei trazer os resultados após o evento, números que comprovem o sucesso ou não da festa.

 

Boa leitura e boa festa à todos.

Comentários

comentários

Vinicius Salgado

Vinicius Salgado

instagramSiga-nos @mossoronoticias