Devemos consumir comida enlatada?

gastronomia

POR Flâvio Magalhães

28/02/2018


Você sabia que o milho enlatado é menos calórico que o cozido em casa? E que algumas opções são livres de conservantes? Apesar do alimento fresco ainda ser o mais recomendado por especialistas, os alimentos processados começam a ganhar as mesas e a confiança dos brasileiros

Antes abominada pelos nutricionistas, a comida processada começa a ganhar espaço entre os adeptos de hábitos saudáveis. Criada em Londres, no século XIX, com a intenção de alimentar soldados, elas rapidamente ganharam a Europa e os Estados Unidos. Mas, no Brasil, sempre foram vistas como uma opção perigosa para a saúde. Recentemente, no entanto, essa realidade começou a mudar. A Associação Brasileira de Embalagem de Aço (Abeaço) divulgou uma lista com dez itens esclarecendo verdades e mitos sobre os enlatados. Dentre as novidades, está a que o milho enlatado tem menos calorias que o cozido, a feijoada é 30% mais leve e alimentos enlatados não contêm conservantes. Mas será que é isso mesmo? 

É Claro que o alimento in natura, na maioria das vezes, será a melhor opção, no entanto, com a evolução da ciência é realmente possível incluir alimentos industrializados nos planos alimentares. “Hoje não existe mais a adição de substâncias tóxicas com bisfenol-A (BPA) e Ftalatos, por exemplo, altamente cancerígenos”, diz. Mas é preciso ficar atento se a lata utilizada é de aço – que dispensa o uso de conservantes nos alimentos -, e principalmente aos rótulos dos produtos. Veja abaixo a lista divulgada pela Abeaço:


1. ALIMENTOS ENLATADOS SÃO OPÇÕES SAUDÁVEIS


Depende. É claro que, como regra geral, podemos afirmar que alimentos frescos são bem mais saudáveis que os enlatados. Mas, recentemente foi desenvolvida a lata de aço, que dispensa o uso de conservantes nos alimentos, deixando-os, portanto, mais saudáveis. Até então, os fabricantes usavam inúmeros aditivos químicos para dar um aspecto mais atraente, além de maior durabilidade e praticidade. Os mais comuns eram os aromatizantes, corantes, antioxidantes, estabilizantes, conservantes e acidulantes. Um dos exemplos são os nitritos e/ou nitratos (substâncias usadas para conservação de alimentos), que são transformados em nitrosaminas em nosso estômago, uma composição altamente cancerígena, principalmente se consumida de forma contínua. 

Dica: Marcas mais consolidadas no mercado costumam respeitar as normas de fabricação, armazenamento e quantidade segura de inserção de conservantes. Para saber se o enlatado é de boa qualidade, devemos ficar atentos aos rótulos.


2. ESTUDO REALIZADO PELA UNICAMP COMPROVA QUE EMBALAGEM DE AÇO É A MELHOR OPÇÃO PARA O ENVASE DE AZEITE


Mito. A embalagem que oferece melhor proteção a esses quatro fatores é a garrafa de vidro escuro, seguida da lata de aço. A vantagem do vidro escuro sobre a lata é devido ao fato de o vidro ser um isolante térmico melhor que o metal, além de mais eficiente na proteção contra a luz, o oxigênio e a umidade. Após aberta para o uso, a lata também apresenta maior risco de sofrer a ação do oxigênio e da umidade, já que nem todas as embalagens apresentam sistema adequado de fechamento.

Verdade. Com a evolução da tecnologia para embalagens, a lata de aço se tornou mais resistente, prática e segura. Entre milhares de novos atributos desenvolvidos, dois merecem ser citados: o sistema de abertura e fechamento, facilitando o envase e armazenamento de alimentos após a abertura, e a criação da película interna flexível, que acompanha a deformação da embalagem e protege o conteúdo mesmo em caso de amassamento. Mas vale ressaltar que isso só vale para os tipos de embalagens de lata de aço.


4. LATA AMASSADA COMPROMETE A QUALIDADE DOS ALIMENTOS


Mentira. Como dito acima, novas tecnologias permitiram que a deformação da embalagem não interfira no armazenamento do conteúdo. Latas perfuradas ou estufadas, no entanto, não devem ser consumidas, já que indicam reações químicas inadequadas para o consumo.


5. LATAS ENFERRUJADAS PODEM CAUSAR TÉTANO


Depende. A ferrugem faz parte do processo natural de degradação do aço, que, sozinho, não faz mal à saúde e, sim, contribui para um meio ambiente saudável. Já o tétano é uma doença causada por um micro-organismo, o Clostridium Tetani, que pode estar em muitas superfícies, principalmente o solo. Ou seja, qualquer material, desde que esteja contaminado, pode causar o tétano.


6. ALIMENTOS ENLATADOS NÃO CAUSAM BOTULISMO


Depende. A contaminação da doença se dá em qualquer alimento infectado pela bactéria Clostridium Botulinum, seja ele fresco ou enlatado. Assim, qualquer material - contanto que esteja infectado pela bactéria - pode causar o botulismo. Por isso é importante manter os alimentos, as embalagens e quaisquer superfícies que tenhamos contato bem higienizados e conservados. 


7. TOMATE EM LATA TEM MAIS LICOPENO QUE O TOMATE IN NATURA


Verdade em partes. Na verdade, o licopeno - uma substância antioxidante que pode diminuir a probabilidade do indivíduo ter câncer de próstata e pulmão -, aumenta a sua biodisponibilidade após o cozimento. Biodisponibilidade é o processo que representa a medida quantitativa da utilização de um nutriente, influenciando sua absorção e distribuição para os tecidos do nosso organismo. Assim, para o tomate liberar essa substância não é necessário que ele seja enlatado. Podemos comprar o tomate fresco, fazer o molho caseiro, por exemplo, e obter o mesmo benefício.


8. MILHO ENLATADO É 40% MENOS CALÓRICO QUE O COZIDO EM CASA


Verdade em partes. Ele pode até ser menos calórico, mas é mais rico em sódio, que faz muito mal à saúde. Os alimentos em conserva merecem mais atenção na hora do consumo exatamente por isso. Para os hipertensos, a escolha destes produtos não é indicada. A melhor opção são os enlatados a vapor.


9. ALIMENTOS ENLATADOS SÃO MAIS ECONÔMICOS


Verdade. Os alimentos enlatados oferecem melhor custo-benefício, permanecem preservados por mais tempo, evitando desperdícios. Além disso, não é preciso gastar energia para conservá-los, pois eles não precisam de refrigeração.


10. FEIJOADA ENLATADA É 30% MAIS LEVE QUE A FEIJOADA TRADICIONAL


Verdade. Mais tradicional prato brasileiro, a feijoada, além de muito saborosa, é normalmente sinônimo de calorias e gordura. Para apreciadores da iguaria preocupados com a saúde, eis uma ótima notícia: a feijoada enlatada tem quase 30% menos calorias que a preparada em casa. Enquanto 100 gramas da feijoada caseira possui 152 calorias, a mesma medida da enlatada tem apenas 108. E os benefícios não param por aí. A quantidade da vilã gordura saturada é 58% menor na lata (cerca de 2,5g/100g de feijoada na versão enlatada, contra 6g na versão caseira). Os índices de colesterol também são mais baixos, sendo 17mg/100g na versão enlatada e 30mg/100g na versão tradicional, uma redução de 43%. Isso acontece porque os ingredientes são colocados crus na lata e o processo de cozimento acontece como em uma panela de pressão. Assim, nutrientes e vitaminas são preservados e não há adição de óleo.


DICA DA CASTANHA


Para ter uma castanha mais saborosa e crocante ao comprar passe-a rapidamente em uma superfície quente por 2 minutos.

Isso fará com que ela solte um óleo que é perfeito para a nossa saúde.

Isso vale pra qualquer tipo de castanha.


CONTATOS DO CHEF


PERSONAL CHEF EM DOMICILIO

CATERING


- Casamentos

- Aniversários

- Batizados

- Churrascos

- Feijoadas ao estilo Carioca

- Noites Temáticas. 


EVENTOS CORPORATIVOS EM FINGER FOOD

CONSULTORIA EM A&B


- Renovação e Inovação de Cardápios

- Treinamentos em Boas Práticas e Controle Higiênico Sanitário 

- Gestão de Compras, Produção e Estoque


Instagram: FLAVIO MAGALHAES GASTRONOMIA

Telefones: 084 9 8869-7300 whatsapp

                  084 9 9640-0540 (TIM)


Comentários

Flâvio Magalhães

Flávio Magalhães, 30 anos, carioca, formado em Gastronomia pela Universidade Potiguar (UNP) e colunista de Gastronomia no Portal Mossoró Notícias.