Porque comemos piru e panetone no Natal

gastronomia

POR Flâvio Magalhães

27/12/2017

Por influência norte americana temos esses costumes. Nos EUA, é costume comer piru no Dia de Ação de Graças, celebrado desde 1621. Eles comemoram a boa colheita realizada pelos peregrinos e por nativos americanos na época. A ave era comum na região e, pela grande quantidade de carne, representava fartura. Esse costume chegou ao Brasil através da imigração. Já o Panetone surgiu em Milão, na Itália. Lá, ele era servido em ocasiões especiais, já que fazer o tal pão de frutas dava muito trabalho. Boa parte das iguarias chegou ao Brasil junto com a onda de imigração do século 19”. O avanço da navegação e dos transportes aéreos também contribuiu, introduzindo uma nova cultura na culinária dos países. A ORIGEM DE OUTROS PRATOS TÍPICOS DE FIM DE ANO Chester Foi criado nos anos 80, pela Perdigão, para ser uma alternativa mais barata ao peru. O chester não é nome de um animal, mas de uma marca criada pela própria empresa. Ele é fruto de um cruzamento de linhagens especiais de aves e tem bastante carne: 70% são peito e coxa Lentilha Dizem que comer lentilha na virada do ano traz sorte. Esse costume chegou ao Brasil com os imigrantes italianos que acreditam no seguinte ditado: “Lenticchie a capod’anno franchi tutto l’anno”, ou seja, “Lentilha no Ano-Novo, dinheiro o ano todo” Rabanada É uma tradição europeia. Em Portugal, o doce é conhecido como “fatia de mulher parida”, pois ele era dado às mulheres depois que davam à luz para aumentar a produção de leite. Esse prato teria surgido como alternativa para aproveitar os restos de pão duro, que eram jogados fora Pernil Também de origem europeia, o pernil é mais comum no interior de São Paulo. Nessa região, dizem que, como o porco é um bicho que “fuça” a comida, comê-lo na passagem de ano faz a vida ser empurrada para a frente. Diferente das aves, que ciscam para trás e fazem a pessoa regredir Comida agridoce Misturar frutas com comida é uma tradição brasileira, influenciada por costumes indígenas e africanos. O abacaxi com tênder, por exemplo, é uma criação do Brasil, já que o abacaxi é uma fruta local. Já as cristalizadas e uvas-passas tiveram origem nos países mediterrâneos. TEMPORADA DE TIBAU ABERTA Ainda temos algumas datas abertas para o serviço de Personal Chef em Domicilio com Cardápios Exclusivos incluindo Intolerantes a Lactose, glúten e tantos outros. Esse serviço é todo personalizado e profissionalizado com pessoal extremamente treinados por mim. Nossa equipe conta com barmans, Cozinheiros, Auxiliares, Segurança, Recepcionista e eu como seu Chef exclusivo por 1 dia ou um final de semana em Tibau.

RECEITA DA SEMANA

A COZINHA DE FLAVIO MAGALHÃES

MARINADA PARA CHESTER E PIRU

Vulgo Avinha d’alhos é muito usado para marinar peças grandes. Pode ser usada também para pernil.
  • 1 GARRAFA DE VINHO BRANCO OU ESPUMANTE
  • 5 DENTES DE ALHO
  • 2 CEBOLAS
  • SAL
  • PIMENTA DO REINO
  • 2 UN DE LIMÃO THAITI OU SICILIANO
  • ERVAS FRESCAS (SALSA, TOMILHO, ALECRIM E MANJERICÃO)
  • OU ERVAS SECAS DA SUA PREFERENCIA.
Bata todos os ingredientes no pulsar e marine por 2 dias virando o lado sempre da ave para que pegue sabor em tudo. Use um saco de 5 litros para marinar. Você pode usar as ervas com talo e tudo e quando for ao forno retirar ou não da marinada. Contatos do Chef Instagram: FLAVIO MAGALHAES GASTRONOMIA Telefones: 084 9 8869-7300 whatsapp 084 9 9640-0540

Comentários

Flâvio Magalhães

Flávio Magalhães, 30 anos, carioca, formado em Gastronomia pela Universidade Potiguar (UNP) e colunista de Gastronomia no Portal Mossoró Notícias.