Por que o crime compensa? Descanse em paz, Tonton

economia e empreendedorismo

POR Vinicius Salgado

16/05/2018


Mossoró registra mais uma tragédia. Família e amigos perdem mais um ente querido. Apenas mais um número em meio a milhares que acontecem diariamente no Brasil. O que torço é para que Everton não seja apenas mais uma estatística, fato difícil de ser mudado. Mas, por que o crime compensa tanto por aqui?

Vulnerabilidade da vítima, impunidade, corrupção, são ‘n’ motivos para falar que o crime compensa. Bandidos diariamente estão acostumados com a covardia, sempre estão por cima, por cima até da lei. O caso de Everton, conhecido como Tonton, tomou conta das redes sociais pela tamanha tragédia e também pela revolta das pessoas que o conheciam. É uma lástima sermos refém do estado que só beneficia os malfeitores com o tal dos “direitos humanos”. Os direitos humanos começam quando a vida de um jovem de bem é retirada numa tentativa de assalto.

Constantemente venho falando sobre economia do crime aqui e de como as reações de um indivíduo podem mudar a ação de um criminoso. Neste caso, a vítima estava totalmente vulnerável, sem armas, sem ter como se defender, a única tentativa de reação para salvar seu patrimônio, foi alvejado com um disparo, coisa que não deveria ter acontecido para quem defende o desarmamento. 

Não sei a ficha dos bandidos que assassinaram mais uma pessoa ontem, porém, com certeza são elementos que já tentaram a famosa ressocialização, palavra de recomeço para bandidagem. Ressocialização por aqui é recolocar bandido na rua para fazer assalto e matar gente de bem. Ressocialização por aqui é colocar assassinos para conversar com sociólogo que defende “a vida de seres humanos”.  Ressocialização é para satisfazer a vontade daqueles que acham que estes energúmenos são vítimas da sociedade. Enquanto houver canalhas que defendam este tipo de gente, mais vítimas como Everton irão surgir, mais famílias irão chorar a dor de perder um ente querido e mais impunidade irá reinar nesta cidade e neste país. 

Aos amigos e familiares de Everton, força. Eu sei que nada vai trazê-lo de volta, nenhuma palavra, nenhum abraço, nenhum conforto, porém, tenho certeza que ele foi recebido de braços abertos lá no céu. Eu não o conhecia, mas o sentimento de angústia e tristeza tomou conta pela tamanha barbaridade que aconteceu.

E quanto a vocês, que apoiam a ressocialização de bandidos, todo o sangue derramado por eles, recorre sob suas mãos. 

Descanse em paz, cara. Mossoró recebe lágrimas de dor com a sua partida. 

Comentários

Vinicius Salgado

Vinícius Salgado, 23 anos, mossoroense, acadêmico do 9 período do curso de Economia na UERN e colunista de economia no Portal Mossoró Notícias.