Bolsonaro decepciona quem via a salvação na extrema-direita

política

POR Allan Darlyson

24/04/2019

Não existe “salvador da pátria” nem varinha mágica para resolver em quatro meses os problemas do País. No entanto, a decepção com o governo Bolsonaro (PSL) veio pra quem confiou demais em um meme de redes sociais. Com populismo e frases prontas, é possível vencer uma eleição, mas não governar um País. 

Promessa quebrada

Desde que assumiu o mandato, o inexperiente e extremista Jair Bolsonaro quebrou a promessa de não ter corruptos no governo, nomeando vários investigados para o Planalto. 

Laranjas

Além disso, tem um dos filhos acusado de desviar dinheiro público por meio de laranjas. O motorista de Flávio Bolsonaro, que chegou a movimentar R$ 1,2 milhão, tendo salário de R$ 8 mil, chegou até a fazer depósito na conta da mulher do presidente. 

Cai o mito

O diferencial do presidente, que bate no peito e diz que é honesto, já desperta dúvidas na população. O escândalo do “laranjal” derrubou o mito de honestidade da família de Bolsonaro. 

Populismo

Tendo sido eleito usando o populismo, que transformou um meme de redes sociais em presidente da República, Bolsonaro, em vez de fazer uma reforma no Bolsa-Família, programa o qual chamava de “Bolsa-Farelo”, criou o 13° salário para os beneficiários, numa clara aposta que o populismo iria melhorar sua avaliação no Nordeste. 

Os acertos

O presidente acertou na escolha dos ministros da Segurança, Sérgio Moro; da Economia, Paulo Guedes; e da Infraestrutura, Tarcísio Gomes. Os três são bons nomes, que vêm trabalhando bem a serviço do País. 

Os trapalhões

Por outro lado, Bolsonaro começou errado com Ricardo Vélez na Educação, que já foi substituído por Abraham Weintraub; do Turismo, Marcelo Álvaro; e da Mulher, Família e Direitos Humanos, Damares Alves. O primeiro não conseguiu tomar as rédeas da pasta. O segundo está envolvido em denúncias por corrupção. A terceira tem um pensamento retrógrado sobre a sociedade atual, o que a descredencia principalmente para a pasta que ocupa. 

Vai de rosa ou de azul?

A maior trapalhada da ministra Damares foi, como ministra encarregada dos direitos humanos, dizer que “meninas vestem rosa e meninos azul”, quando a sociedade já trocou e misturou muito as cores. A frase da ministra foi claramente uma exclusão da minoria LGBT, a qual ela deveria defender. 

Sucesso ao presidente

Apesar de mostrar os erros, a coluna deseja sucesso ao presidente. Que ele consiga, com a parte boa da equipe que nomeou, tirar o País da crise e dar esperança ao povo, que já não aguenta mais se decepcionar com os fenômenos que aparecem por aí.

Comentários

Allan Darlyson

Jornalista, formado em 2011 pela UFRN. Passou pelas redações do Correio da Tarde, Diário de Natal e TV Ponta Negra. Na área de Assessoria de Imprensa, atuou como assessor de diversos políticos. Rompendo as fronteiras do jornalismo, em 2018, passou a fazer o marketing de campanhas políticas. Hoje, atua como assessor de Comunicação.