Estamos no Dezembro Vermelho! Você sabe o que significa?

saúde

POR Izamara Luana

11/12/2018

Você já deve ter notado que cada mês do ano, na área da saúde, temos uma cor especifica relacionada com algum tema de saúde. Pois bem. Estamos no início do mês de Dezembro e durante esse mês a cor que dá significado é a vermelha, fazendo alusão ao HIV. Você sabe o que é HIV? Pode até ser que você já tenha ouvido falar muitas coisas sobre esse tema, mas com certeza existem muitas informações erradas sendo repassadas. Vamos comigo, entender um pouco do que é o HIV e a doença causada por esse vírus!

Aids, também conhecida como Sida em alguns países, é a sigla em inglês de síndrome da imunodeficiência adquirida (acquired immunodeficiency syndrome). A aids é uma doença crônica e que pode ser potencialmente fatal, ou seja, pode levar a morte! Ela acontece quando a pessoa infectada pelo HIV vai tendo o seu sistema imunológico danificado pelo vírus, interferindo na habilidade do organismo de lutar contra invasores que causam a doença, além de deixar a pessoa suscetível a infecções oportunistas. Essas doenças oportunistas vão debilitando o sistema imunológico, e estas podem ser as mais simples possíveis de serem tratadas, mas por causa do vírus, tendem a se agravar.

HIV é a sigla em inglês do vírus da imunodeficiência humana (human immunodeficiency virus), que é o causador da aids. O HIV é uma infecção sexualmente transmissível, que também pode ser contraída pelo contato com o sangue infectado e de forma vertical, ou seja, através da gestação, de mãe para filho.

Os cientistas acreditam que um vírus similar ao HIV ocorreu pela primeira vez em algumas populações de chimpanzés e macacos na África, onde eram caçados para servirem de alimento. O HIV é transmitido principalmente por relações sexuais (vaginais, anais ou orais) desprotegidas, isto é, sem o uso do preservativo, e compartilhamento de seringas e agulhas contaminadas com sangue, o que é frequente entre usuários de drogas ilícitas - que também podem contrair mais doenças, como hepatites.

A infecção pelo HIV evolui para Aids quando a pessoa não é tratada e sua imunidade vai diminuindo ao longo do tempo, pois, mesmo sem sintomas, o HIV continua se multiplicando e atacando as células de defesa do nosso corpo. Uma pessoa pode estar infectada pelo HIV, sendo soropositiva, e não necessariamente apresentar comprometimento do sistema imune. Existe também o período chamado de janela imunológica, que é o período entre o contágio e o início de produção dos anticorpos pelo organismo. Nesse período, não há detecção de positividade nos testes, pois ainda não há anticorpos, e pode variar de 30-60 dias.

Qualquer pessoa, independentemente de cor, raça, situação econômica ou outros fatores, podem contrair o vírus. Existem alguns comportamentos que podem levar a pessoa a contrair o vírus, que são relação sexual (vaginal, anal ou oral) com pessoa infectada sem o uso de preservativos; compartilhamento de seringas e agulhas, principalmente, no uso de drogas injetáveis; e reutilização de objetos perfuro cortantes com presença de sangue ou fluidos contaminados pelo HIV.

Alguns sintomas podem ser detectados. Porém, é preciso ficar em alerta e procurar um profissional caso venha a senti-los. Outra informação importante é que, se você apresenta alguns dos sintomas que serão citados, não significa que você está infectada com vírus, pode ser qualquer outra doença, porém é importante que o médico seja procurado para possível diagnóstico.

Os primeiros sintomas de HIV observáveis para Aids são fraqueza, febre, emagrecimento, diarreia prolongada sem causa aparente. Na criança que nasce infectada, os efeitos mais comuns são problemas nos pulmões, diarreia e dificuldades no desenvolvimento. Na fase inicial pode haver candidíase oral, sensação constante de cansaço, aparecimento de gânglios nas axilas, virilhas e pescoço, diarreia, febre, fraqueza orgânica, transpirações noturnas e etc. Na fase aguda pode haver sintomas de infecção viral como febre, afecções dos gânglios linfáticos, faringite, dores musculares e nas articulações; ínguas e manchas na pele que desaparecem após alguns dias; feridas na área da boca, esôfago e órgãos genitais; falta de apetite; estado de prostração; dores de cabeça; sensibilidade à luz; perda de peso; náuseas e vômitos.

A forma mais efetiva de se prevenir, não só a AIDS, como também outras infecções sexualmente transmissíveis, é não se colocar em situação de risco. Tenha relações sexuais sempre com proteção; não compartilhe agulhas e seringas; No caso de violência sexual, comunique as autoridades o quanto antes e vá a um hospital, de preferência especializado, para que eles possam ministrar os remédios de profilaxia de infecção pelo HIV ou outras infecções sexualmente transmissíveis; se você descobriu que tem o vírus, comunique o seu parceiro ou pessoas com as quais teve relações sexuais. Ele precisará fazer os testes, pois um diagnóstico precoce faz com que o tratamento seja muito mais efetivo. Além disso, eles precisam saber se estão com o vírus para que não acabem por infectar outras pessoas.

Caso você já seja diagnosticado com o HIV, para se prevenir a aids o mais importante é que você tome todos os seus medicamentos conforme prescrição e siga todas as demais orientações médicas, além de procurar ter uma vida mais saudável, se alimentando bem, mantendo o peso compatível com a sua idade, sexo e altura e, se ainda fuma, deixar de fumar.

Previna-se! Cuide-se! Faça o teste!

Comentários

Izamara Luana

Izamara Luana, 24 anos, mossoroense, bacharel em Enfermagem e pós-graduanda em UTI e Urgência e Emergência.