Izamara Luana[email protected]Saúde

Izamara Luana

Um gesto simples e com grande benefício


Estamos em Agosto Dourado, mês de conscientização sobre o aleitamento materno e neste mês reforçamos os benefícios da amamentação. E mesmo não ter passado pelo processo da gestação e da amamentação, confesso que é um tema que me deixa muito comovida e que gosto bastante. Vamos falar um pouquinho sobre esse gesto que tanto beneficia o bebê quanto a mamãe. É importante estarmos cientes de que esse benefício que a criança recebe vai repercutir positivamente em sua vida adulta. 


Sabemos que as experiências da amamentação são inúmeras e cada mulher tem a sua própria vivência. O conhecimento acerca do leite materno é importante para desmistificarmos algumas ideias que são difundidas por ai a fora. Aqui vamos citar alguns mitos e verdades de acordo com o Ministério da Saúde. 


Existe leite fraco? Isso é um mito!!! Não existe leite fraco. Até uma mãe com desnutrição leve ou moderada é capaz de produzir um bom leite. Todos têm a mesma constituição. O que acontece é que o leite materno é mais ralo que o leite de vaca. Mas, lembre-se: o leite de vaca foi feito para o bezerro! Cada espécie se alimenta com o leite produzido pela sua mãe. O leite materno tem todas as substâncias na quantidade certa de que o bebê precisa para crescer e se desenvolver sadio. A amamentação deve ser exclusiva até o sexto mês de vida do bebê, sem precisar do uso de água. 


Há também aquela velha frase que diz “só o meu leite não sustenta e o bebê chora com fome”. Isso não é verdade! Nem sempre que o bebê chora é porque está com fome. Ele pode estar com cólica, frio ou calor, molhado, ou simplesmente querendo carinho (colo). Lembre-se de que o choro é a única forma de o bebê se comunicar nos primeiros meses de vida. O importante é que ele esteja crescendo bem, o que pode ser verificado pelos gráficos na Caderneta da Criança, e urinando mais do que seis vezes a cada 24 horas.


É importante lembrar que a amamentação imediata após o parto é saudável. Alimentar os bebês imediatamente após o nascimento pode reduzir consideravelmente os riscos de mortalidade neonatal, além de contribuir para a recuperação da mulher. Quanto mais cedo acontecer a primeira mamada, maiores as chances de uma amamentação bem-sucedida, além de estimular e fortalecer o vínculo mãe e bebê. Assim como os tamanhos dos seios não indicam se produzem menos ou mais leite materno. O que dá o tamanho dos seios é o tecido gorduroso e não a glândula produtora de leite. Portanto, não depende do tamanho ou formato da mama. Afinal, tamanho não é documento!


Outra verdade que nós podemos confiar é que o ato de amamentar ajuda a mulher a emagrecer. O aleitamento traz vários benefícios, além da perda de peso mais rápida após o parto, a amamentação ajuda o útero a recuperar seu tamanho normal, reduz o risco de hemorragia, anemia e câncer de mama e de ovário. Durante a gestação, a mulher acumula peso para formar uma reserva energética justamente para ser gasta no período da amamentação. Saiba que parte da gordura materna é transferida para o bebê pelo leite. 


E para as mamães que precisam estar em seus locais de trabalho antes dos seis meses do bebê mas não querem interromper com a amamentação, aqui vai uma dica para congelamento do leite materno. Na geladeira, o leite materno deve ser armazenado até 12 horas. No freezer, pode durar até 15 dias. Essa é uma boa notícia para as mães que precisam retornar às suas atividades profissionais, sem recorrer ao leite industrializado. Para descongelar, o leite deve ser mantido na geladeira ou em água corrente morna. Não se deve deixar em temperatura ambiente e nem esquentá-lo no fogão ou micro-ondas.


E lembre-se: o bebê é quem faz o horário de amamentação. Nos primeiros meses, o bebê ainda não tem um horário para mamar. Dê o peito ao seu filho sempre que ele demonstrar fome. Com o tempo, ele vai fazer seu horário de mamadas. Antes de começar a dar de mamar, lave as mãos. Sente-se em um local confortável e o ajude a pegar corretamente o peito. Após a mamada, passe o próprio leite no complexo mamilo areolar, antes e após a mamada. E aqui vai uma dica: não existe idade certa para ocorrer o desmame. E esteja ciente do poder que seu leite materno exerce sobre a saúde do seu bebê. Cada mulher possui suas próprias dificuldades e rotinas. Então, quanto mais tempo o seu bebê amamentar, melhor será para ele e para você. É importante que mãe também faça cuidados quanto a sua alimentação, adquirindo hábitos saudáveis para a ingesta de alimentos ricos em proteínas e vitaminas. 


Gostaram da coluna da semana? Espero que sim! Conhecimento é sempre bom e faz bem. Devemos difundir ideias corretas para as pessoas! Até a próxima coluna! 


Fonte: http://bioemfoco.com.br/noticia/amamentacao-doencas-transmitidas-mae-bebe/


Comentários