Você tem ansiedade? Vamos descobrir?

saúde

POR Izamara Luana

15/01/2019

Um tema bastante discutido e bem comum nos dias atuais. A ansiedade é mais frequente do que imaginamos, mas nem sempre a reconhecemos. E se reconhecemos, não procuramos trata-la. Vamos entender um pouco sobre esse distúrbio!

A ansiedade é uma emoção normal do ser humano, comum ao se enfrentar algum problema no trabalho, antes de uma prova ou diante de decisões difíceis do dia a dia. No entanto, a ansiedade excessiva pode se tornar uma doença, ou melhor, um distúrbio de ansiedade. Pessoas que sofrem de distúrbios de ansiedade sentem uma preocupação e medo extremos em situações simples da rotina, além de alguns sintomas físicos, o que atrapalha suas atividades cotidianas, já que eles são difíceis de controlar.

A ansiedade é algo muito próximo da preocupação. E preocupação nada mais é do que um aspecto do medo, um temor de que as coisas não saiam como nós gostaríamos. Todos esses componentes são necessários para a nossa evolução e sobrevivência; o que não pode ocorrer é um exagero de qualquer um deles. A ansiedade é, basicamente, uma resposta do corpo vinda do sistema nervoso autônomo, que age independente do nosso pensamento racional, como um reflexo.

Ele tem a porção simpática, que tem reações de resposta ao estresse, preparando o corpo para fugir ou lutar em uma situação de perigo. Quando a adrenalina é liberada, o corpo reage de diversas formas, como acelerar os batimentos cardíacos e contrair os vasos sanguíneos, para levar o sangue mais rapidamente, dilatar os brônquios, para aumentar a respiração e o consumo de oxigênio, dilatar as pupilas, para melhorar a visão mesmo em pouca luz, aumentar a liberação da glicose no sangue, para dar mais energia às células.

A ansiedade pode trazer diversos sinais e sintomas, psicológicos, físicos e até alguns outros transtornos. Podemos citar constante tensão ou nervosismo, sensação de que algo ruim vai acontecer, problemas de concentração, medo constante, preocupação exagerada, problemas para dormir, irritabilidade, agitação dos braços e das pernas, dor ou aperto no peito, falta de ar, aumento do suor, tremores nas mãos, sensação de fraqueza ou cansaço, náusea, diarreia, boca seca, tontura ou vertigens, sensação de morte. Em alguns casos, as dores no peito são tão fortes que são confundidas com infarto.

Existem diversos tipos de ansiedade. Os que mais acometem as pessoas são Transtorno de Ansiedade Generalizada (TAG), que ocorre quando a ansiedade persiste por longos períodos de tempo e passa a interferir nas atividades do dia a dia. O principal sintoma do quadro é a “preocupação excessiva ou expectativa apreensiva”; síndrome do pânico, que é um tipo de transtorno de ansiedade no qual ocorrem crises inesperadas de desespero e medo intenso de que algo ruim aconteça, mesmo que não haja motivo algum para isso ou sinais de perigo iminente; fobia social, que é caracterizado pelo extremo desconforto e pavor com situações sociais como ambientes novos, desconhecidos e cheios de pessoas estranhas; encontros sociais; falar em público; e outras situações do tipo; e Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC), que é um distúrbio psiquiátrico de ansiedade. Sua principal característica é a presença de crises recorrentes de pensamentos obsessivos, intrusivos e em alguns casos comportamentos compulsivos e repetitivos. Analogicamente falando, uma pessoa com TOC é como um disco riscado, que repete sempre o mesmo ponto daquilo que está gravado. Pacientes com este transtorno sofrem com imagens e pensamentos que os invadem insistentemente e, muitas vezes, sem que consiga controlá-los ou bloqueá-los.

Não há uma causa certa para o aparecimento da ansiedade, mas existem alguns fatores que podem contribuir, como genética, ambiente em que a pessoa vive, mentalidade ou modelo de pensamento.

O tratamento para a ansiedade é de acordo com a relação que a mesma apresenta com outras partes do corpo. Caso a ansiedade excessiva esteja relacionada a uma doença física, seu tratamento adequado já trará alívio dos sintomas. No entanto, se o paciente sofre de algum transtornos de ansiedade, o tratamento pode envolver diversas abordagens, como psicoterapia, remédios para a ansiedade (antidepressivos, ansiolíticos, antipsicóticos).

A maior parte das pessoas com ansiedade começa a se sentir melhor e retoma as suas atividades depois de algumas semanas de tratamento. Por isso, é importante procurar ajuda especializada na unidade de saúde mais próxima. O diagnóstico precoce e preciso da ansiedade, com tratamento eficaz e acompanhamento por um prazo longo são imprescindíveis para obter melhores resultados e menores prejuízos. Cuide da sua saúde mental. É tão importante quanto a saúde física!

Até o nosso próximo encontro!

Comentários

Izamara Luana

Izamara Luana, 24 anos, mossoroense, bacharel em Enfermagem e pós-graduanda em UTI e Urgência e Emergência.